quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Quem brinca com fogo...

Após quase enforcar um colega, Fábio Assunção culpa o demônio



Rio – “Acho que não era eu, devia ser o demônio”, explica Fábio Assunção sobre episódio em que quase enforcou o ator Nill Marcondes, durante o laboratório para viver o detetive Bellini no filme ‘Bellini e o Demônio’, como revelou Marcondes à coluna ‘Telenotícias e Celebridades’, de O Dia, nesta terça.

“A gente ralava das sete da noite às sete da manhã, num processo de exaustão física que me colocou no estado de energia que o personagem pedia”, completa o ator, que incorporou os próprios demônios para filmar as cenas em que fuma crack, come lagartixa e estupra Gala (Rosanne Mulholland). “Buscamos o lado de magia negra, temos rituais no filme, e procurei dar minha versão sobre o que seja o demônio. Acredito em forças negativas e positivas, as energias estão aí”.

No longa do diretor Marcelo Galvão, Bellini é contratado para achar o ‘Livro da Lei’, de Aleister Crowley, espécie de bíblia satânica. “Ao abrir vem escrito: quando terminar de ler destrua-o, não empreste a ninguém”, diz Fábio.

A exibição do filme ‘Bellini e o Demônio’, terça-feira, no Festival do Rio, revelou episódios sinistros ocorridos nas filmagens feitas em 2006, em São Paulo. “Quando imprimimos o roteiro para leitura, a palavra ‘demônio’ não saía impressa de jeito algum”, relembra Galvão, que também filmou uma cobra coral, que apareceu de surpresa no set. “Na cena com círculo de fogo (ritual de magia negra) subiu uma labareda absurda”, conta Nill Marcondes, que vive o policial Zanqueta.

Fonte: O Dia

Não devemos brincar com o nosso inimigo sem que estejamos amparados por Deus... Fábio Assunção, vamos orar por você!


Um comentário:

  1. Sandra Albuquerque2 de outubro de 2009 20:15

    Na época das filmagens do filme "O Exorcista", aconteceram coisas horríveis também.
    O inimigo está aí, e tem muitas pessoas que na hora da raiva costumam invocar o inferno inteiro.
    Quem brinca com fogo, uma hora se queima, temos que estar atentos ao que falamos.

    ResponderExcluir